O desafio maior do ciclismo

O desafio maior do ciclismo

O desafio maior do ciclismo

Subir – O desafio maior do ciclismo

Você participa de eventos com subida???

Acredito que um dos maiores desafios, senão o maior, do mundo do ciclismo sejam as altas montanhas. Falo aqui daquelas subidas intermináveis em que ficamos por minutos ou até mesmo por horas fazendo força.

E como saber a dose certa de esforço??? E o que devo treinar de posicionamento, sentado ou em pé, o que é melhor???

Antes de mais nada, é preciso se familiarizar com a montanha. Para os que não estão acostumados, é fundamental passar por um processo de aprendizado, formação técnica e principalmente se adaptar aquele esforço que na maior parte do tempo é sofrido. Como diria Greg Lemond, três vezes campeão do Tour de France, “o esforço nunca melhora, pode-se aumentar a velocidade, mas a condição de sofrimento é a mesma”. Para isto é fundamental que todos comecem fazendo subidas mais curtas, com grande variação de inclinação, passando pelas menos íngremes, na casa do 4, 5% e após, enfrentando níveis mais desafiadores como inclinações acima de 10%.

Após um bom tempo enfrentando treinos duros com subidas e descidas curtas é hora de ir a alta montanha. Consideramos aqui, qualquer esforço ininterrupto maior de 20 min. ou subidas acima de 5 km. com ascensão acumulada superior a 300 mts.

É importante encontrar o ritmo, a potencia ou a frequência ideal durante uma subida de alta montanha. Para isto, os treinos são fundamentais e a adaptação física só virá com muitas horas de selim. Utilizar esforço desproporcional pode colocar a musculatura em colapso dependendo do tempo da subida. É importante iniciar com subidas menores e ir aumentando na medida que se ganha experiência e nível técnico. Falando sobre intensidade nas subidas, o ideal é sempre utilizar padrões sub limiares, seja de frequência cardíaca com relação ao pico de VO2, seja de potencia, relacionada ao FTP. A intensidade ideal gira em torno de 90% do limiar. Dependendo da situação, em muitos momentos podemos estar acima, como inclinações pesadas ou qualquer aceleração de prova em uma fuga ou coisa do tipo, mas somente por um período muito curto.

Para os que já estão adaptados e buscam melhorar a performance na subida, aqui vão algumas informações importantes.

– Pedalar em pé aumenta em 5% o consumo de energia (O2), porém, aumenta a potencia em média 10%.

– A maioria dos ciclistas pro tour, utilizam cadencia entre 60-70 rpm nas montanhas.

E o que é melhor, pedalar sentado ou em pé???

O ideal é que o ciclista esteja adaptado a pedalar nas duas posições. Para inclinações acima de 8% onde temos de modificar o centro de gravidade e aplicar mais força nos pedais, o ideal é pedalar em pé. Para economia de movimento, mantendo o centro de gravidade apoiado no banco e para inclinações de nível mais baixo, o ideal é a posição sentada.

Comparando estilos, por exemplo o Alberto Contador (mais em pé) e o Froome (mais sentado). Há bem pouco tempo atrás tínhamos o Jan Ultrich (mais sentado) e o Lance Armstrong (mais em pé). Eram oponentes que utilizavam estratégias diferentes, mas eram exímios escaladores. Porém, todos eles utilizavam as duas posições.

Portanto, mesmo que você prefira ou sentado ou em pé, procure treinar todas as posições de forma que lhe permita estar preparado para os diversos tipos de desafio como inclinação e tempo de subida. Além disso, mantenha foco nos treinos de força, fundamentais para manter o músculo forte, preparado e longe das lesões.

4 thoughts on “O desafio maior do ciclismo

  1. Ronaldo

    Xará, tremendo artigo. Com dicas práticas.
    Só uma coisa. Certa vez li que em subida para os atletas mais pesados é melhor subir sentado e para os mais leves em pé. Não sua opinião essa afirmativa tem fundamento técnico?
    Ronaldo

    1. Ronaldo Martinelli

      Olá Xará,
      Meu caro, não tem fundamento algum. Subir sentado deixa o centro de gravidade apoiado ao banco e tem recrutamento motor menor que pedalar em pé. Só isto. A demanda energética é maior pedalando em pé, tanto para o mais leve quanto para o mais pesado. O que é certo é que a relação peso-potencia influencia demais para as subidas. Quanto mais leve, melhor, claro.
      Obrigado por participar.

Deixe uma resposta